sábado, 1 de novembro de 2008

Olha no fundo dos meus olhos



Olha no fundo dos meus olhos,
E diz tudo o que sentes por mim,
Se não me gramas! …
Olha no fundo dos meus olhos,
E diz-me com sinceridade,
Que me odeias, que me detestas,
Diz que sou uma trave no teu caminho,
Que sou uma mancha negra na tua vida.
Olha no fundo dos meus olhos
E chama-me de tudo o que sentes por mim,
Diz tudo o que achas de mim,
Mas, sê sincero…
Mas se por acaso for o contrário,
Se por acaso fores com a minha cara,
Olha no fundo dos meus olhos,
E diz que queres ser meu Amigo,
Que queres conquistar a minha amizade,
Que queres descobrir o mundo,
As estrelas e o espaço,
A água e o fogo …
Mas tudo de mão dada comigo!
Mas para além disso,
Se sentires um afecto por mim,
Diz que me amas, que me queres,
Que me desejas, que sonhas comigo noite e dia,
Que queres, comigo, descobrir
Quantas letras leva a palavra Amor,
Quantos significados, quantas interrogações!
Olha no fundo dos meus olhos
E diz que sou o teu rosal em flor
Que sou a ponte da tua vida,
Que sou a cura da tua dor.
Diz que queres ficar junto a mim
Como as andorinhas na Primavera.
Diz que sou a tua ilha, no oceano imenso,
Que sou o teu oásis no meio do deserto!
Olha no fundo dos meus olhos
E diz somente: “Amo-te!...”
Mas se não tiveres palavras,
Olha no fundo dos meus olhos
E deixa que os teus falem por ti,
Não tenhas medo nem receio…
Olha no fundo dos meus olhos,
E vê como brilham, esperando,
Ansiosos a tua sincera resposta.
Olha no fundo dos meus olhos …
Olha no fundo dos meus olhos de mágoa…
Olha, mas sê sincero…

10/05/91

beanabela

9 comentários:

© efeneto disse...

Quando as palavras
secam na garganta
no momento exacto de as dizer
parecem rochas encrostadas na terra
impossíveis de as moldar.
Fico na impotente ansiedade
como náufrago, sem gritar.
Sei como são cruéis
e tiranas as palavras
que se recusam a pronunciar-se
naquele exacto momento
em que mais são precisas.
Quando me acontece contigo
substituo-as pelo olhar
e as mãos dizem o resto.

Voltei. O Grito do Poeta calou-se. Pode ser que ressuscite. Até lá convido a apanharem umas Migalhas de Poesia. Fica a promessa que voltarei para vos ler e apreciar com a atenção que merecem. Afinal os amigos souberam esperar. Até já…

São disse...

Sinceramente, como pede nesse bonito texto, gostaria de que fosse ao "Opiniões" expressar o que sente acerca do tema lá proposto para reflexão.

Tudo de bom.

Angel of Light disse...

Querida... tenho lá no blog algo que gostava que participasses em pleno: com palavras e com uma foto tua. Alinhas? Vai lá espreitar...

Beijinhos de Amor e Luz!

MEU DOCE AMOR disse...

Deixo um beijinho doce e agradeço a colaboração no Opiniões.

Beijinho doce

Bela música e palavras sentidas

© efeneto disse...

Olá amigo/as.
Venho por este meio agradecer a todos aqueles que tiveram a amabilidade de por todas as vias me endereçaram as melhoras e tiveram a paciência de esperar. Aos poucos e na medida do possível irei retomar as publicações no “Grito” agora renovado e as visitas aos amigos.
Porque o tempo urge e a amizade espera, vou começar a colocar as visitas em dia.
Beijos a quem é de beijos e abraços aos restantes.
©efeneto

Perla disse...

A sinceridade sempre!

Votos de um Santo e Feliz Natal e um Luminoso Ano Novo de Paz e Esperança!

Beijinhos

vagabundo disse...

Gostei!

Mas, tão sentida e com dezoito anos...quem tem medo de tão lindos olhos?...
No fundo dos olhos está o nosso "Eu". Quem tem tido medo deste tão lindo "Eu" que aqui conheci?...

manzas disse...

"A cada dia de nossa vida, aprendemos com nossos erros ou nossas vitórias, o importante é saber que todos os dias vivemos algo novo. Que o novo ano que se inicia, possamos viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus".

" UM FELIZ ANO DE 2009 "

vagabundo disse...

Como queres que olhe fundo em teus olhos?...
Bem fundo nos olhos te olhei,
E em silêncio gritei,
Que te amo e que te quero.
Que não me chega tua amizade,
(Carrasca da minha felicidade)
Quando muito mais de ti espero.
Sonhar contigo noite e dia,
eu nunca poderia…
Se queres que eu seja sincero;
Pois já há muito foi de partida,
O dia em minha vida,
Que hoje…
Só tem noite e desespero.
Água, fogo, espaço e estrelas…
E as letras do Amor conhecê-las…
Só o poderia contigo.
Quanto ao mundo já o descobri,
Feio e escuro onde vivi,
Por não te ter por lá comigo.
Não és trave no meu caminho
Nem mancha no destino
Que o fado me traçou.
És a minha ponte para a felicidade
Mas essa coisa da amizade…
Fez cair…
Desmoronou.

Quando olhei fundo nos olhos teus
Perderam-se os meus…
E eu naufraguei.
Morri!...
Náufrago sem bóia, sem tábua,
No fundo desses olhos de mágoa,
Da mágoa…
Que aí deixei.